O Biofeedback é uma das formas mais modernas de investigação da saúde cardíaca. Por meio do estudo da Variabilidade do Ritmo Cardíaco  (HRV), cuja redução é um fator prognóstico de risco cardíaco, pode-se ter uma visualização da saúde do coração.

O treinamento para aumento da variabilidade do ritmo cardíaco com Biofeedback pode diminuir a incidência de problemas cardíacos futuros.


Sensores como os vistos abaixo são  usados para medir as respostas autonômicas aos estressores.

O que é a Variabilidade do Ritmo Cardíaco (HRV)?

Variabilidade do Ritmo Cardíaco diz respeito à regulação no nodo sinoatrial, o marca-passo natural do coração, pelos componentes simpático e parassimpático do sistema nervoso autônomo. A importância da observação do HRV  reside no fato de que as flutuações do ritmo cardíaco entre as batidas nos proporcionam uma medida indireta da saúde cardíaca, definida pelo grau de  equilíbrio entre a atividade do sistema nervoso simpático e a atividade vagal.

O Que é Arritmia Sinusal Respiratória (RSA)?

 


RSA é o ciclo natural de arritmia que ocorre pela influência da respiração sobre o fluxo de impulsos simpáticos e vagais para o nodo sinoatrial.


O ritmo cardíaco é  primariamente controlado pelo nervo vago, que inibe a frequência cardíaca e a força de contração. Quando inalamos, a atividade do nervo vago é inibida e a frequência cardíaca começa a aumentar. Quando exalamos, esse padrão se inverte. O grau de flutuação da frequência cardíaca também é controlado significativamente por impulsos regulares dos barorreceptores (sensores de pressão) nas artérias aorta e carótidas. Quando a RSA é aumentada por meio de Biofeedback, a meta é geralmente reforçar  a atividade natural de feedback dos barorreceptores através do padrão respiratório.

Por que HRV é um fator tão importante?

 


HRV é importante porque proporciona um meio para  observar a habilidade do coração para responder a impulsos regulatórios normais que afetam o seu ritmo. Um foco primordial do trabalho clínico e de pesquisa é observar ou modificar o equilíbrio dos impulsos regulatórios do nervo vago e do sistema nervoso simpático. Alguns pesquisadores estão concentrando sua atenção nos outros fatores que regulam o coração, como quimiorreceptores, termorreceptores e o sistema renina-angiotensina. Há muitos estudos que demonstram que, por si só, a HRV pode ser um Indicador da expectativa de mortalidade dentro dos dois anos que se seguem a um ataque cardíaco. Pesquisa semelhante demonstra a importância clínica da HRV para pacientes com outros problemas cardíacos.

Como Idade e saúde afetam HRV e RSA?

 


Nós temos boas evidências de que a HRV é afetada por vários fatores, como idade e condições de saúde.
A HRV diminui com a idade e também é mais baixa em pessoas que têm um estilo de vida sedentário e entre aqueles que apresentam problemas médicos, como doenças coronarianas, hipertensão e neuropatia diabética.

Saúde e idade afetam RSA também?
Esta é uma pergunta importante. Sim, definitivamente idade e saúde precária afetam a RSA. Por exemplo, após um ataque cardíaco há um fenômeno chamado “vagal withdrawal”, o que significa que o nervo vago é inibido na sua função de diminuir a atividade do nodo sinoatrial e de controlar o grau de contração através do tecido cardíaco (miocárdio). O objetivo mais importante dos  praticantes de Biofeedback é ajudar os pacientes a aumentar significativamente a Variabilidade de Ritmo Cardíaco e a saúde cardíaca como um todo. Uma observação relevante  é que é necessário usar um conjunto diferente de normas de HRV quando se trabalha com pessoas mais velhas ou que apresentam um problema médico que afeta a saúde cardíaca.

Como se mede a HRV?

 


A HRV pode ser medida levando-se em conta o tempo ou as frequências. As medidas relacionadas ao tempo levam em consideração o tempo, em milissegundos, do intervalo entre as batidas do coração. Tecnicamente, o intervalo entre batidas é definido como o tempo, em milissegundos, entre ondas “R” normais no eletrocardiograma. O desvio padrão do intervalo RR normal (SDNN) é uma das medidas relacionadas ao tempo  de maior importância e significado clínico. O desvio padrão do intervalo RR normal (SDNN) é uma das medidas relacionadas ao tempo  de maior importância e significado clínico.

Uma medição de HRV breve de cinco minutos se mostrou clinicamente válida e significativa.   As medidas de frequência de HRV proporcionam informações sobre a distribuição das frequências dos componentes da HRV usando a análise de densidade espectral. A análise espectral da HRV é caracterizada por quatro componentes principais:

  • A HF, ou frequência alta; 

  • A LF, ou frequência baixa;

  • A VLF, ou frequência muito baixa;

  • A ULF, ou frequência ultra baixa.

 

Cada uma dessas faixas de frequência  reflete a influência de um, ou vários, fatores que agem sobre o coração, e a análise espectral permite avaliar quais componentes estão tendo uma maior influência sobre o ritmo cardíaco.

O cliente se sente melhor com HRV Biofeedback?

 


Quando se tem mais variabilidade de ritmo cardíaco é porque há um maior equilíbrio entre a influência do sistema nervoso simpático e a do parassimpático sobre o coração. Geralmente, tem-se uma maior variabilidade de ritmo cardíaco quando sob relaxamento e respirando num padrão regular e lento. Em resumo, o treinamento de HRV Biofeedback parece oferecer um método mais preciso para ajudar clientes a moderar a atividade simpática elevada que é associada com   estresse, ansiedade e humor disfórico.

Que tipo de feedback o cliente recebe?

 


Para fazer treinamento por HRV Biofeedback, é utilizado o eletrocardiograma a partir do qual o intervalo normal entre as batidas do coração é analisado e então a variação na frequência cardíaca (intervalos RR normais) pode ser medida.
A medição da respiração também é necessária para avaliar seu ritmo e sua influência na HRV. É recomendado utilizar sensores complementares que avaliam atividade vascular periférica. Um sensor de volume de pulso sanguíneo (BVP) e um de temperatura são muito úteis para este propósito.

Na verdade existem pesquisas animadoras surgindo sobre a análise da forma de onda R do sinal de BVP e essa análise tem um grande potencial de enriquecer a interpretação da  HRV.

biofeedback-muenchen.jpg
exagon-sense-4_orig.png
IMG_0147.jpg
bvp.jpg